Inflação dos alimentos
Empresas

Afinal, por que alguns alimentos básicos estão tão caros?

Primeiramente, é importante destacar que no caso de alguns alimentos (em especial os inclusos na cesta básica) a flutuação e determinação do preço depende de muito mais que o desejo do mercado.

Assim, fatores externos, como a atual pandemia do novo coronavírus, podem influenciar diretamente no valor final de alimentos básicos, como o arroz e o feijão. Porém, o que estamos vendo é uma disparada nos preços que não é justificado apenas pela inflação atual.

Para entender um pouco melhor sobre o porquê isso está acontecendo, veja esse artigo que preparamos para você com alguns fatores que estão influenciando essa alta histórica no preço de vários alimentos no Brasil.

A Inflação

O primeiro fator que afeta no valor dos itens da cesta básica é a inflação, e é difícil escapar dela. Na prática, ela faz com que seu valor possua menor poder aquisitivo; o que geralmente vem acompanhado de uma alta nos preços de itens básicos.

De acordo com as últimas medições realizadas em julho desse ano, a inflação estava por volta de 0,36%. Mas isso não explica por que em algumas capitais do Brasil, alguns alimentos presentes na cesta básica subiram mais de 15% além do índice da inflação.

Se dessa vez não podemos culpar exclusivamente o problema da inflação, então, o que mais está causando esse aumento fora de controle no preço dos alimentos?

Aumento da Procura e a Desvalorização da Moeda

Inegavelmente, muitos brasileiros já puderam sentir na pele que a pandemia do coronavírus não preocupa apenas pela letalidade da doença, mas também pelos efeitos econômicos negativos trazidos pelo isolamento social.

De acordo com a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), existem alguns fatores influenciando o aumento do preço. Primeiramente, com muitos restaurantes fechados, as pessoas estão tendo que cozinhar mais em casa, o que aumentou a procura por itens básicos da cesta básica.

Além da inflação, quanto maior a procura por determinado item, maior é o reajuste no preço. Porém, de acordo com a organização, o grande vilão tem sido o câmbio. Muitos insumos necessários para a produção de alimentos, como fertilizantes e ração para os animais, tiveram um aumento de mais 50%, já que são importados de fora do país.

No entanto, o principal problema é a desvalorização de nossa moeda em comparação ao Dólar. O câmbio favorece que os agricultores aumentem o volume de exportação, já que na conversão eles acabam ganhando mais.

Isso acaba diminuindo a oferta desses produtos no mercado interno, o que novamente leva a uma alta nos preços bem acima da inflação do período.

A solução para o problema

Infelizmente, não há uma resolução de curto prazo. Apesar da reabertura gradual de alguns setores da economia, ainda não há uma previsão de quando haverá uma vacina eficiente para lidarmos com a situação do coronavírus.

Então, é preciso esperar que o governo tome decisões urgentes para forçar uma queda no preço de produtos essenciais da cesta básica.

Para empresários e funcionários que vivem da cesta básica, a única opção agora é procurar com mais atenção pelos melhores preços e negociar com fornecedores para obter preços mais acessíveis nos alimentos até que a economia volte aos trilhos.

Leia também: Como é calculado o valor da Cesta Básica.

Para consulta dos índices de inflação, acesse aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *